Gabriel Monteiro diz que ‘foi largado a morte’ pela PM e dispara: “Se eu morrer, eu cumpri a missão que Deus colocou aqui na minha vida”

Gabriel Monteiro diz que ‘foi largado a morte’ pela PM e dispara: “Se eu morrer, eu cumpri a missão que Deus colocou aqui na minha vida”.

O vereador e ex-policial militar do Rio de Janeiro, Gabriel Monteiro, diz que foi “largado a morte” pela Polícia Militar e afirma que “corre risco” de morrer a qualquer momento. No entanto, Gabriel reitera que seguirá firme em seu trabalho de fiscalização contra a criminalidade e corrupção no estado.

“Vamos reiterar que continuaremos o nosso trabalho de fiscalização da corrupção que tem acontecido aqui na cidade do Rio de Janeiro e principalmente no nosso país.” afirmou Gabriel Monteiro.

Monteiro contou durante o vídeo, que ele sofreu atentado no dia 5 de janeiro deste ano e que, mesmo a Polícia Civil, constatando a eminência do risco de morte do vereador, a Polícia Militar se recusa a fazer a segurança do vereador.

“A minha cabeça está a prêmio por seguir lutando pela justiça para os nossos cidadãos e por querer trazer à tona tudo que tem ocorrido de podre e escuso na nossa política causada por todos aqueles que deveriam estar defendendo o bem e a segurança dos nossos trabalhadores.” afirma Gabriel.

Segundo Gabriel, ele sabe que os “cidadão precisam de políticos honestos”, “que trabalham por você e não como os que nós temos atualmente, que defendem a corrupção de dentro de seus gabinetes luxuosos ganhando salários incoerentes com seus resultados.”.

Gabriel Monteiro diz que ‘foi largado a morte’ pela PM e dispara: “Se eu morrer, eu cumpri a missão que Deus colocou aqui na minha vida”

“Nós vamos continuar lutando contra esses políticos corruptos que votam de forma covarde, sem se importar com a família, com os trabalhadores e contra suas instituições que recebem dinheiro que nunca vemos investido, com UPPs caindo aos pedaços, hospitais lotados e sem médicos, funcionários fantasmas, etc. Não me importo de me colocar em risco de ser ameaçado e até atacado desde que possa seguir expondo os poderosos que atormentam o bem-estar e o avanço da nossa população.” disse o militar.

“Se eu morrer, eu cumpri a missão que Deus colocou aqui na minha vida. Que é lutar pela minha sociedade. Vou cada vez mais, fique ciente, mesmo com a Polícia Militar se negando a cumprir a função constitucional dela.” disparou o PM.